Meninas tentam salvar irmã e as três morrem afogadas; pai conseguiu salvar caçula

Meninas tentam salvar irmã e as três morrem afogadas; pai conseguiu salvar caçula

As mortes de três irmãs, ocorridas no domingo (5), reacendem a importância dos cuidados necessários para evitar afogamentos de banhistas. As garotas de 9, 10 e 13 anos estavam no Rio São João, na cidade de Nova Bandeirantes, no Mato Grosso, quando tentaram salvar a caçula da família, de 5 anos. As meninas eram acompanhadas pelo pai, que conseguiu resgatar apenas a mais nova.


De acordo com a Polícia Militar (PM), as quatro irmãs tomavam banho de rio na região conhecida como Prainha, onde moradores e turistas vão nadar principalmente aos fins de semana. Testemunhas contaram que a mais nova começou a se afogar e as mais velhas tentaram salvá-la. No entanto, nenhum das garotas conseguiu retornar à superfície e o pai resgatou apenas a caçula.  O local tem quatro metros de profundidade.


Nova Bandeirantes não possui equipe de bombeiros e o quartel mais próximo fica a 800 km de Cuiabá, em Alta Floresta. Os militares de lá foram chamados, mas receberam a informação de que os corpos das vítimas haviam sido localizados durante o deslocamento. Um pescador da região começou a procurar pelas garotas enquanto a ambulância da cidade não chegava.


Irmãs mais velhas tentaram salvar a mais nova; três delas morreram (Divulgação/PolíciaMilitar)

O homem encontrou o primeiro corpo cerca de 30 minutos depois de começar a mergulhar. Era a garota de 9 anos. Ela passou por massagens cardíacas feitas por dois policiais militares, mas já estava morta. A menina de 11 anos foi a segunda a ser localizada. Ela e a mais velha, de 13 anos, também passaram por procedimentos de reanimação, mas não resistiram.


A caçula, por sua vez, foi resgatada com vida e levada para o Hospital Municipal. Ela não corre risco de morrer.


O pai da garota contou aos policiais que as filhas o pediram para levá-las para nadar. Inicialmente, os agentes não identificaram sinais de que ele e a mãe tivessem ingerido álcool. Apesar disso, o caso será investigado pela Polícia Civil. Não há informações sobre o uso de bóias ou acessórios de segurança por parte das crianças.


Além dos equipamentos de segurança, outras medidas podem ser adotadas para evitar afogamentos. Clique aqui para ver dicas preventivas elaboradas pelo Corpo de Bombeiros de Minas.