Sindicatos anunciam nova greve dos professores estaduais para esta sexta-feira

Sindicatos anunciam nova greve dos professores estaduais para esta sexta-feira

Servidores da rede estadual de educação de Minas Gerais farão uma paralisação em defesa do cumprimento do piso salarial para a categoria na Cidade Administrativa, na manhã desta sexta-feira (6). A atividade foi convocada pelo Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), que cita "paralisação total das atividades" na data. O Sind-UTE/MG é ligado ao Partido dos Trabalhadores e aos deputados petistas Rogério Correia e Beatriza Cerqueira.


Segundo a direção do sindicato, a categoria vai cobrar do executivo de Minas o cumprimento da política do Piso Salarial Profissional Nacional e a aplicação do reajuste referente a 2022, aprovado pela Assembleia Legislativa. A entidade ressalta que o governo entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir reajuste de 33,24% aos profissionais.


O Sind-UTE afirma ainda que "o governo Zema também implementa projetos que precarizam a educação pública". A manifestação "também se dedica à luta contra os projetos 'Mãos Dadas' e 'Somar' do governo, que municipaliza os anos iniciais do ensino fundamental e privatiza a gestão das escolas estaduais de ensino médio", completou o comunicado.


Denúncias da entidade apontam que o aumento no número de matrículas na rede municipal levou a um deficit financeiro às prefeituras, além do fato de haver um desemprego estrutural na categoria.


Em nota, o governo de Minas afirmou que "vai acompanhar a adesão ao movimento nas escolas estaduais", e mantém diálogo com a categoria. "Com o intuito de preservar e respeitar os direitos dos estudantes e visando alinhar e planejar os procedimentos, a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) encaminhou às escolas estaduais orientações com as diretrizes sobre a reposição dos dias letivos e da carga horária, referentes às unidades escolares em que isso se faz necessário", completou.