Secretário de Zema é acusado de prática de corrupção

Secretário de Zema é acusado de prática de corrupção

Em um episódio que pode manchar a reputação do governo de Minas Gerais, o presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Gabriel Azevedo (sem partido), fez sérias acusações contra Marcelo Aro (PP), Secretário de Estado de Casa Civil, durante uma sessão de depoimentos relacionada ao seu processo de cassação. Azevedo afirmou que Aro tentou obstruir a votação de uma lei de subsídio ao transporte público, com o objetivo de beneficiar-se em um esquema de corrupção e propina envolvendo empresários do ramo.


Azevedo, que enfrenta um processo por suposta quebra de decoro parlamentar, usou o palco das oitivas para lançar um ataque direto a Aro e ao vice-presidente da Câmara, Juliano Lopes, alegando que ambos buscavam receber propina em troca de ações legislativas. Ele descreveu um cenário onde a expressão "panetone" foi utilizada como código para o dinheiro de propina que seria coletado dos empresários de ônibus.


Essas acusações colocam uma sombra sobre a administração do governador Romeu Zema (Novo), já que Aro, uma figura-chave em seu governo, está implicado diretamente no suposto esquema.  Aro está atualmente em missão internacional na China, acompanhando o governador Romeu Zema.


A resposta de Aro às acusações veio através de uma nota, na qual ele nega as alegações e critica Azevedo por tentar criar uma narrativa de vítima para si mesmo. Aro acusa Azevedo de buscar os holofotes e promete levar a disputa para a justiça, não para a imprensa. No entanto, essa defesa pode não ser suficiente para dissipar as dúvidas que agora pairam sobre o governo de Zema e a integridade de seus membros.


O vice-presidente da Câmara, Juliano Lopes, também mencionado nas acusações, declarou que responderá a Azevedo na justiça, onde as alegações deverão ser provadas. Enquanto isso, Rubens Lessa Carvalho, do SINTRAM, negou qualquer envolvimento no caso, classificando a menção de seu nome como caluniosa.


As testemunhas de defesa de Azevedo, que compareceram às oitivas, forneceram relatos que contradizem as acusações contra ele, sugerindo que as ações de Azevedo na Câmara foram legítimas e em conformidade com o regimento interno.

Siga o Instagram do Portal Minas Seguir