Quase um ano após a tragédia em Brumadinho, rio Paraopeba segue contaminado



Um estudo divulgado nesta quinta-feira (23) pelo SOS Mata Atlântica mostra que o rio Paraopeba, que corta a região atingida pela lama, não tem água própria para uso humano em nenhum dos 2 mil quilômetros de extensão de leito. As comunidades de Córrego do Feijão e Parque da Cachoeira, as mais próximas da barragem que se rompeu, perderam metade dos moradores.

Nosso Whatsapp: https://jornaldarecord.r7.com/whatsapp
Inscreva-se no canal Jornal da Record: http://r7.com/mYfx
Assista às íntegras no PlayPlus: https://www.playplus.com
Facebook: https://www.facebook.com/JornalDaRecord/
Instagram: https://www.instagram.com/jornaldarecord/
Twitter: https://twitter.com/jornaldarecord
Site oficial: https://noticias.r7.com/jr-na-tv

#JornaldaRecord #SérieJR #Brumadinho1AnoDeDor