Professor compara a onda de calor em Minas com o que acontece no interior de uma Air Fryer

Professor compara a onda de calor em Minas com o que acontece no interior de uma Air Fryer

A relação entre a onda de calor em Minas Gerais e o funcionamento de uma air fryer pode ser explicada pelo professor de geografia, Lucas Oliver. Segundo ele, a sensação de estar dentro de uma "bolha de calor" não é exagero, e a dinâmica desse fenômeno climático é semelhante ao funcionamento desse eletrodoméstico de cozinha.


Na onda de calor, a bolha de calor se forma na massa de ar tropical continental, onde o ar quente sobe e encontra uma área de alta pressão que o empurra de volta para a superfície. Essa dinâmica é comparável à circulação de ar quente em uma air fryer, onde o calor é circulado em uma bolha fechada. Dessa forma, o ar quente sobe e é lançado de volta, criando uma espécie de ciclo que mantém o calor e pode ser comparado ao processo de fritura em uma air fryer.


O professor também alerta para o fato de que as temperaturas em Minas Gerais estão cerca de 10°C acima da média durante a tarde, e novos recordes de temperatura podem ser alcançados durante a semana, especialmente entre quarta e quinta-feira.


Nesta segunda-feira, a capital mineira registrou 37,3°C, sendo a segunda temperatura mais alta do ano e a maior do mês de novembro. Em setembro de 2023, durante outra onda de calor, a cidade chegou a registrar 38,6°C, considerada a maior da história até então.


Em cidades do interior como Ipatinga, no Vale do Aço, a temperatura chegou a 42º C.


A previsão para os próximos dias é de temperaturas elevadas e baixa umidade relativa do ar, com mínimas de 23°C pela manhã e máximas podendo chegar a 37°C à tarde em Belo Horizonte. Recomenda-se hidratação, alimentação leve, evitando frituras, e cuidados com exposição ao sol e atividades físicas ao ar livre durante os horários mais quentes do dia.

Siga o Instagram do Portal Minas SEGUIR