Policia apresenta dois homens suspeitos de matar casal em Betim

Policia apresenta dois homens suspeitos de matar casal em Betim

A Polícia Civil em Betim apresentou durante coletiva, na manhã desta quarta-feira (18), dois homens, de 34 e 31 anos, suspeitos de assassinar os jovens Gheisiel Cardoso, de 26 anos, e sua namorada, a jovem Lorena Raiza Costa, de 20 anos, que tinham desaparecido na cidade no último dia 2. Um terceiro suspeito, de 34 anos, está foragido.



Segundo o delegado Edmar Henrique Cardoso, responsável pelo caso, as investigações apontam que o crime, cometido por uma dívida de produto roubado, ocorreu a mando do dono da sorveteria onde o casal teria sido visto pela última vez.


"A mãe do Gheisiel desde o começo nos pediu um cuidado maior ao investigar o dono da sorveteria. Ela dizia saber que ele estava envolvido no crime, já que o filho estava lhe cobrando uma dívida, que, segundo a família, seria oriunda de uma moto que Gheisiel tinha", contou o delegado.


Após ser interrogado pela polícia um dia após o desparecimento do casal, o suspeito teria fugido para a cidade de Carmésia, na região do Rio Doce, mas acabou voltando para Betim e confessando o crime aos familiares.


"Em depoimento, um irmão dele nos contou que ele havia confessado o crime, dizendo que estava sendo ameaçado de morte por Gheisiel. Além disso, o suspeito falou que Gheisiel teria dito que mataria toda a sua família", explicou Cardoso.


Ainda de acordo com o delegado, após ser preso, o dono da sorveteria confessou o crime, apontando as participações de outros dois homens. Um deles foi preso e outro está desaparecido. O suspeito deu detalhes de como tudo ocorreu.


"Ele contou que o casal foi até a sua casa e ele os convidou para entrar. Já no segundo andar do imóvel, onde fica a cozinha, ele ofereceu refrigerante e entregou aos jovens a quantia de R$ 3.000, momento em que os outros dois suspeitos, que estavam escondidos na casa, chegaram gritando "perdeu, perdeu", e amarraram o casal", completou.


Após serem rendidos pelos homens, Gheisiel e Lorena foram amarrados e colocados dentro de um furgão. "O carro usado foi o do suspeito, que é um carro plotado da sorveteria. Eles colocaram o casal e um dos comparsas foi dirigindo. O dono da sorveteria foi atrás, junto com o Gheisiel e a Lorena. Já o terceiro comparsa foi pilotando a moto. A real intenção dos homens era que os jovens tivessem ido com a caminhonete de Gheisiel para que ela fosse roubada".


Outro fato descoberto nas investigações foi que o carro teria sido abastecido em um posto do bairro PTB, também, em Betim. De lá, eles seguiram direto para o bairro Samambaias, em Juatuba,  e, segundo depoimento do suspeito à polícia, os jovens foram executados com a aproximadamente seis tiros.


Oito dias após o desaparecimento, a polícia encontrou no local dois corpos em avançado estado de decomposição. "O Gheisiel foi reconhecido através da digital, mas a Lorena, não. O corpo dela deve ser liberado ainda essa semana, já que a família reconheceu alguns objetos como as roupas que ela usava", completou.


Apesar de ser apontado com mandante do crime, o dono da sorveteria negou qualquer tipo de envolvimento no caso durante a apresentação. "Eu não mandaria matar o Gheisiel. Ele estava devendo dinheiro para um homem, que eu não sei quem é, e ficava me cobrando esse valor. O nosso acordo era que tudo fosse pago em junho deste ano, mas ele sempre chegava pedindo mais, e eu precisava me virar, deixava até de pagar meus funcionários", afirmou o suspeito.


Já o outro suspeito que foi preso diz ter sido confundido pelo dono da sorveteria. "Ele confundiu quando foi falar com a polícia quem tinha cometido o crime. Eu não matei ninguém", alegou.


Fichas criminais eram extensas


Ainda de acordo com informações repassadas pelo delegado responsável pelo caso, Edmar Cardoso, durante a coletiva de imprensa, dois dos suspeitos e a vítima já tinham passagens pela polícia.


"O Gheisiel já cumpriu pena em 2015 por um roubo de celular, e a polícia está investigando se ele tem participação em algum outro crime. O homem que dirigia o carro, que é considerado por nós o mais experiente, já foi preso por tráfico de drogas, porte de arma e, ainda neste ano, passará por dois juris pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio. Já o homem que pilotava a moto, é conhecido por venda de armas e tráfico de drogas", explicou o delegado.


Vítima e suspeito eram próximos


Outro fato que chamou atenção da polícia foi o fato de Gheisiel e o dono da sorveteria serem tão próximos. "Por morarem na mesma região, eles eram muito amigos e as suas famílias também. Inclusive, o primeiro emprego de Gheisiel foi dado pelo suspeito, quando a vítima tinha apenas 13 anos", afirmou o policial Cássio Barbosa de Souza, que participou das investigações.


Relembre o caso


Na segunda-feira (2) , Gheisiel e Lorena, que estavam juntos há cerca de quatro meses, saíram de casa do jovem, onde haviam passado o dia, afirmando que iriam comer em uma lanchonete do bairro Jardim Teresópolis, em Betim. Eles passaram em uma sorveteria e, após saírem em uma moto, não foram mais vistos.


A família chegou a realizar uma passeata junto com amigos no Teresópolis na tentativa de encontrá-los.

Siga o Instagram do Portal Minas SEGUIR

Em Destaque