Padrasto estupra e engravida as duas enteadas em Jaíba MG


Padrasto estupra e engravida as duas enteadas em Jaíba MG

Com fortes dores abdominais, uma menina de 12 anos chegou até o Hospital Municipal de Jaíba, na região Norte de Minas Gerais, na madrugada de sexta-feira (19). Após alguns minutos, ela se afastou da sala de espera do hospital e foi ao banheiro, de onde a equipe médica ouviu o chorinho de um recém-nascido.


A pré-adolescente acabara de parir uma criança, fruto dos abusos cometidos pelo padrasto contra ela. O homem já foi preso por estuprar a irmã dela que, aos 13 anos, também teve um filho com seu algoz. Mesmo após confessar o crime aos policiais militares, nesta sexta, ainda no hospital, ele não foi levado para a penitenciária, uma vez que o período de flagrante já havia passado.


Após as dores do parto, a menina de 12 anos foi questionada pelos médicos sobre quem seria o pai da criança, diante das recusas e da idade tão precoce, os militares foram acionados e tentaram conversar com ela. Apesar de ter se mostrado resistente no início, logo que afastada da mãe e do padrasto, um homem de 32 anos, a menor confessou que, há muitos meses, era abusada por ele.


O suspeito também a ameaçava para que ela não contasse a ninguém sobre as violências. A pré-adolescente permanece internada no hospital, assim como a recém-nascida que, prematura, está sob cuidados médicos. Conselheiros tutelares acompanham o caso.


Interrogado, o suspeito confessou o crime. Como não houve flagrante e a menina não soube informar quando sofreu o último abuso, o padrasto foi orientado a comparecer à Polícia Civil onde, na manhã desta sexta-feira (19), prestou depoimento e foi liberado. Um inquérito foi instaurado e as providências legais serão tomadas, informou a corporação.


Vítimas eram irmãs


Fora as novas suspeitas, contra o homem de 32 anos pesa um inquérito repassado à Justiça de Minas Gerais em setembro do ano passado, quando as investigações foram finalizadas e ele acusado pelo estupro da irmã da atual vítima. A menina, à época dos abusos, tinha apenas 13 anos e chegou a ter um bebê, fruto do crime.


Segundo a Polícia Civil, ele foi ser preso por este crime mas, em seguida, colocado em liberdade. Como processos referentes a estupros de vulnerável seguem em segredo de justiça, não foi possível constatar o porquê da soltura do suspeito.


Procurada, a Secretaria de Estado de Administração Prisional (SEAP) informou que o suspeito não possui passagens antigas pelo sistema carcerário.