Minas Gerais tem redução de 83% de desmatamento, diz estudo

Minas Gerais tem redução de 83% de desmatamento, diz estudo

O ritmo de desmatamento diminuiu drasticamente em Minas Gerais. É o que mostra um estudo realizado pela SOS Mata Atlântica, no qual aponta que nos últimos 30 anos foram regenerados no Estado 59.850 hectares do bioma, equivalente a 598,5 km². A cidade de Águas Vermelhas, no Norte de Minas,  foi a que apresentou maior área de regeneração com um total de 3.666 hectares,  seguida por Teófilo Otoni (2.017 ha) e Novo Oriente de Minas (1.988 ha), ambos municípios no Vale do Mucuri.




Durante o período, foram desmatados 362.525 mil hectares de Mata Atlântica em Minas. Dos 853 municípios mineiros, 725 fazem parte da Mata Atlântica. As cidades de Águas Vermelhas e Teófilo Otoni figuram na lista dos municípios que mais perderam cobertura florestal nativa.  Já a cidade de Jequitinhonha, que está no topo do desmatamento em Minas Gerais, recuperou apenas 507 hectares.


De acordo com a diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica, Marcia Hirota, embora o levantamento atual não assinale as causas da regeneração, ou seja, se ocorreu de forma natural ou se decorre de iniciativas de restauração florestal, é um indicativo importante. “Chamávamos no passado as regiões do Jequitinhonha e Mucuri, por exemplo, de triângulo do desmatamento. Eram campeões nesse quesito. Agora, após o estudo, observamos vários pontos com muitas áreas de regeneração, em locais que foram abandonados e florestas transformadas em carvão. Vamos continuar fazendo o controle da manutenção das áreas, proteger e promover a restauração. Precisamos, sobretudo, da participação dos proprietários de terra, da sociedade e do poder público para trabalhar mais sobre o assunto e fazer o monitoramento. Além disso, é importante que a iniciativa privada participe. É necessário que a gente desenvolva algo voltado para a restauração florestal. Acredito que mais métodos e programas de recuperação para outras áreas abandonadas irão ser colocados no papel”, disse Hirota.


Conforme a diretora-executiva da SOS Mata Atlêntica, no próximo mês, dados de regeneração entre 2015 e 2016 em Minas Gerais devem ser divulgados. O estudo busca analisar a regeneração sobre formações florestais que se apresentam em estágio inicial de vegetação nativa, ou áreas utilizadas anteriormente para pastagem e que atualmente estão em estágio avançado de regeneração.


A Mata Atlântica cobria originalmente 47% da área de Minas Gerais, número equivalente a 27,6 milhões de hectares. Atualmente, restam apenas 2,84 milhões de hectares do bioma – 10,3% desse total. Além disso, Minas Gerais conta com nove entre os 100 municípios que mais desmataram entre 1985 e 2015. A área total desmatada por eles é de 52.249 mil hectares, ou cerca de 522 km quadrados, o equivalente ao espaço de quase 35 aeroportos com o tamanho do Aeroporto Internacional Trancredo Neves, em Confins.


Siga o Instagram do Portal Minas SEGUIR

Em Destaque