Menina de 8 anos sai para comprar chup-chup e é estuprada por idoso em Conceição das Alagoas, MG


Menina de 8 anos sai para comprar chup-chup e é estuprada por idoso em Conceição das Alagoas, MG

Uma menina de 8 anos foi estuprada depois de sair para comprar um geladinho na cidade de Conceição das Alagoas, no Triângulo Mineiro, na tarde desta terça-feira (8). De acordo com a Polícia Militar, o autor do estupro é um homem de 68 anos que foi preso.


Ainda segundo a polícia, a menina contou que o idoso tirou a roupa de baixo dela a força, a segurou e introduziu os dedos em sua vagina. "O idoso é dono da casa que vendia o geladinho. Ela tinha costume de ir lá comprar o geladinho, mas sempre era uma idosa que a atendia. Ontem foi esse homem que acabou a estuprando", contou o cabo Paulo Bota Júnior. 


A vítima chegou na casa do avô materno, que é vizinho do idoso, chorando e contou para a mãe o que tinha acontecido. A mulher acionou a Polícia Militar e a menina foi socorrida para o  Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM) em Uberaba, onde foi constatado o rompimento do hímen da criança. 


"Quando contava para a médica o que aconteceu, a menina estava chorando muito, extremamente assustada e abraçava muito a mãe. Ela achava que o homem só tinha passado a mão nela, não tinha noção do ocorrido", contou o cabo. 


O idoso recebeu voz de prisão em flagrante pelo crime. Ele confessou o estupro e disse que “foi um momento de bobeira”. "Quando viu que ia ser preso e a gravidade da situação ele ficou tentando se passar de doido, pegou a cortina e ficou mascando, mas não há nenhum indício de que ele tenha problemas mentais", relatou o cabo. 


O crime aconteceu no centro da cidade e o idoso preso foi encaminhado para a Delegacia de Plantão de Polícia Civil de Uberaba, também no Triângulo Mineiro, que vai investigar o caso. O homem foi encaminhado ao sistema prisional. 


A cidade de Conceição das Alagoas tem cerca de 23 mil habitantes e o cabo disse que nunca tinha registrado um caso desse tipo. "Em 22 anos trabalhando aqui nunca vi nada igual", lamentou. 


* imagem ilustrativa