Itália: queda de helicóptero deixa 7 mortos

Itália: queda de helicóptero deixa 7 mortos

Sete pessoas foram encontradas mortas neste sábado, 11, após a queda de um helicóptero na região de Monte Cusna, na Itália. A aeronave sumiu do radar na quinta-feira em circunstâncias que as autoridades italianas acreditam ter sido causadas por uma tempestade.


Entre as vítimas estão dois empresários libaneses e quatro turcos, que eram passageiros do helicóptero. O piloto também foi encontrado morto. Ele era italiano.

Segundo o chefe da equipe de resgate da Força Aérea da Itália, os socorristas foram informados do local do acidente por um alpinista, que relatou ter visto parte do helicóptero destruído durante uma caminhada no Monte Cusna.

A tripulação da aeronave de resgate confirmou o local e socorristas localizaram os corpos. A princípio, eles encontraram cinco e depois outros dois.

Os destroços de helicóptero estavam escondidos dos socorristas aéreos devido à cobertura extensa de árvores em um vale de difícil acesso da região, mas havia alguns galhos quebrados e queimados.

A operação de busca começou na quinta-feira após a aeronave particular desaparecer do radar ao sobrevoar a província de Modena, na região dos Apeninos Toscano-Emilianos, de acordo com o serviço de bombeiros e salvamento.

O helicóptero transportava sete pessoas, incluindo quatro cidadãos turcos, dois libaneses e o piloto italiano. Os tripulantes eram empresários da fabricação de papel e estavam na Itália para participar de uma feira sobre tecnologias de produção.

A aeronave decolou na quinta-feira da cidade italiana de Lucca e se dirigia para a área de Treviso quando perdeu o controle na região de Apeninos.

A causa provável da perda é uma tempestade intensa que atingiu a região, de acordo com pesquisas das autoridades italianas.

Vítimas

Os dois libaneses vítimas do acidente foram identificados como Shadi Kreidi e Tarek Tayah, ambos executivos da Indevco, um grupo internacional de fabricação.

A esposa de Tayah, Hala, morreu dois anos atrás na explosão maciça no Porto de Beirute, no Líbano, que matou 215 pessoas e feriu outras milhares.

A filha do casal, Tamara, foi uma das vítimas feridas e que conheceu o presidente francês Emmanuel Macron em uma viagem que ele fez à Beirute após a explosão. Ela tinha 11 anos na época do acidente. O casal tinha outros dois filhos, além da garota.

Já os turcos trabalhavam para o grupo industrial Eczacibasi. Eles foram identificados como Kenar Serhat, Cez Arif, Ilker Ucak e Erbilaltug Bulent.

A empresa confirmou as morte com "grande dor e tristeza" em um comunicado. Todos eram diretores.


(Estadão com agências internacionais)