Homem é salvo por policiais militares após colocar fogo na própria casa, em Mantena


Homem é salvo por policiais militares após colocar fogo na própria casa, em Mantena

Um homem de 39 anos foi salvo de um incêndio por policiais militares na noite deste sábado (8) em Mantena (MG). A Polícia Militar recebeu informações de que o homem havia colocado fogo na própria casa e se trancado lá dentro. Ao chegar no local, os militares descobriram que a mulher dele havia saído de casa, motivo pelo qual ele havia se trancado na residência e ateado fogo no local.


A filha do casal, uma adolescente de 17 anos, estava do lado de fora da casa e acompanhou a ação dos policiais. “Nós vimos que saía fumaça de alguns cômodos e cercamos a casa para ter uma ação rápida. Como a entrada estava trancada, eu arrombei a porta. Atrás dela havia um sofá, que já estava queimando. Havia muita fumaça no local e nós vimos que havia uma porta fechada, onde o homem estava. Conseguimos pegá-lo e arrastar rapidamente para fora da residência”, conta o tenente Mauredson Jonatas de Assis Barbosa.


Em seguida, os militares se mobilizaram para conter o incêndio. O padrão de energia da casa foi desligado e uma mangueira foi utilizada para apagar as chamas. Vizinhos também ajudaram na ação.


A esposa dele foi localizada e contou aos militares que havia se separado do homem, mas após ser ameaçada diversas vezes acabou retornando para a casa por cerca de 30 dias, mas saiu novamente porque as ameaças continuavam. Devido às ameaças e aos pertences dela que foram queimados, os policiais iniciaram registro de boletim de ocorrência enquadrando o caso na Lei Maria da Penha.


Durante consulta ao sistema foi constatado que havia mandado de prisão em aberto contra o homem por descumprimento de medida protetiva. Ele foi preso no local.


Antes de ser conduzido à Delegacia, o homem foi encaminhado para hospital devido à quantidade de fumaça que havia inalado. “O médico que o avaliou disse que ele não teve queimaduras e também não teve danos no pulmão graças à nossa ação rápida. Ele nem precisou ser internado, foi atendido e liberado do hospital logo em seguida”, destaca o tenente.