Governo Lula implementa estratégias para 'desbolsonarizar' o Palácio do Planato

Governo Lula implementa estratégias para 'desbolsonarizar' o Palácio do Planato

O governo do presidente Lula (PT) tem implementado estratégias para identificar e dispensar funcionários comissionados associados ao governo anterior de Jair Bolsonaro (PL), especialmente aqueles considerados "bolsonaristas raiz". De acordo com fontes próximas ao governo, não há um método específico para essa "desbolsonarização", mas declarações públicas e posicionamentos em relação aos atos golpistas de 8 de janeiro estão sendo levados em conta.


Oficialmente, os petistas negam qualquer perseguição e argumentam que é comum haver mudanças de comissionados entre governos. No entanto, o presidente Lula tem dito abertamente que não deseja criar "um palácio de petistas", mas que não pode permitir que haja funcionários suspeitos de serem bolsonaristas no Planalto ou na Esplanada.


Isso ficou evidente com a dispensa recente de 40 militares que cuidavam do Palácio da Alvorada e mais 13 militares do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) que compunham a guarda do Planalto. O ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, também afirmou que as trocas devem ser intensificadas a partir desta segunda-feira (23), quando os novos ministérios entrarão no sistema online da Presidência.


Embora o governo não revele como essa triagem é feita, fontes próximas relatam que formas explícitas de apoio a Jair Bolsonaro, como declarações públicas de apoio à tentativa de golpe, questionamento da segurança das urnas eletrônicas ou pedido de fechamento do STF, são levadas em consideração.