Estudo feito pela UFMG mostra que Minas deverá ter 2,5 milhões de infectados pelo coronavírus até maio


Estudo feito pela UFMG mostra que Minas deverá ter 2,5 milhões de infectados pelo coronavírus até maio

Um estudo feito por um professor vinculado à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) aponta que, no Estado, o pico da pandemia de coronavírus está previsto para entre 27 de abril e 11 de maio. A estimativa é que haja 2,5 milhões de infectados em Minas, que tem cerca de 21 milhões de habitantes.


Rafael Ribeiro, do Grupo de Políticas Públicas e Desenvolvimento (GPPD), publicou duas notas técnicas que descrevem exercícios baseados no modelo epidemiológico SIR, desenvolvido por Kermack e McKendrick, em 1927.


O modelo divide a população em três grupos: suscetíveis à doença, infectadas e recuperadas do coronavírus. A partir desse número, ele busca resolver um sistema de equações diferenciais que utiliza, entre outros fatores, coeficientes de contágio e de recuperação.


A base de dados é composta por números do Ministério da Saúde sobre casos confirmados e estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o tamanho da população de cada Estado, em 2019.


Veja o estudo completo AQUI.


De acordo com Rafael, a taxa de contaminação esperada no pico é de 12,12% da população mineira, ou seja, cerca de 2,5 milhões de habitantes. Ele também fez essa estimativa para outros Estados.


Os cálculos sugerem, para o Rio de Janeiro, que o pico será entre 7 e 21 de maio e que haverá cerca de 2,1 milhões de pessoas com a Covid-19. No Distrito Federal, onde o surto terá seu auge de 2 a 16 de maio, espera-se que 360 mil estejam infectados. Já no Ceará, a contaminação será muito alta, proporcionalmente à população de 9 milhões de habitantes: o vírus atingirá cerca de 1,85 milhões de pessoas no pico da pandemia, em meados de abril.


Condição propícia


Em sua conclusão, o professor ressaltou que esses resultados valem caso nenhuma medida para a contenção do novo coronavírus seja tomada, ou seja, se os governos e a população "ignorassem" a doença.


"Medidas como a aprovação pelo congresso de uma renda emergencial de até R$ 1.200,00 para famílias de autônomos, microempreendedores individuais e desempregados, se efetivas no propósito de manter o distanciamento social, podem de fato achatar as curvas e reduzir significativamente a taxa de transmissão do vírus", diz.


Até esta terça-feira (31), foram confirmados 275 casos da Covid-19 e duas mortes em Minas Gerais, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES). Outros 34.224 pacientes estão sendo investigados.