Empresas ajudam na ressocialização; ex-detento comemora: "Aqui me regenerei"



Empresas que contratam pessoas que deixam o sistema carcerário ajudam na ressocialização de ex-detentos e economizam em encargos trabalhistas.

Valter tem 27 anos e muitos sonhos. Aqui, nesta fábrica de panos de limpeza, ele trabalha oito horas por dia, das 7h às 17h. Uma rotina bem diferente da que tinha quando estava preso.

"Eu vivia nessa área de vida errada e aqui, graças a Deus, eu pude mudar meus pensamentos e venho conquistando minhas coisas com trabalho suado", conta ele.

Essa fábrica utiliza mão-de-obra de 40 egressos do sistema penitenciário. São pessoas que cumprem pena em regime aberto ou estão em liberdade condicional. Além de diminuir o preconceito, a iniciativa também é uma vantagem para a empresa, que fica isenta de pagar vários encargos trabalhistas e ainda contribui para a ressocialização.

Esta forma de trabalho é regida pela Lei de Execuções Penais e não pela Lei Trabalhista. Os empregadores estão desobrigados de pagar 13º salário, INSS, FGTS e aviso prévio. Em Pernambuco, atualmente 1.077 ex-detentos trabalham em 11 empresas.

Aqui, pessoas como Emerson, que tem carteira profissional assinada há um ano, ganham uma nova chance de recomeçar e abandonar o mundo do crime.

"Eu estou muito feliz aqui, pois aqui construí minha família, minha vida, me regenerei", declarou ele. "Hoje sou envolvido na sociedade do bem", completou.