Comissão Processante vai analisar contrato da Prefeitura de São Gonçalo do Sapucaí com empresa investigada por fraudes

Comissão Processante vai analisar contrato da Prefeitura de São Gonçalo do Sapucaí com empresa investigada por fraudes

A Câmara Municipal de São Gonçalo do Sapucaí, em Minas Gerais, iniciou uma Comissão Processante (CP) para examinar o contrato entre o município e a empresa THV, que foi alvo de uma operação do Ministério Público paulista devido a suspeitas de fraudes. A CP foi instaurada após uma denúncia anônima durante uma reunião dos vereadores, e todos os 11 vereadores votaram a favor da comissão.


A Comissão Processante tem um prazo de 90 dias para realizar as investigações, e ao final deste período, a Câmara pode solicitar a cassação do prefeito Brian Mendes Drago (UB), caso encontre evidências de irregularidades. As acusações incluem pagamentos ilegais, ineficiência da administração, ausência de respostas aos requerimentos da câmara e falsidade ideológica.


O presidente da Câmara, Plínio Domingues (Podemos), informou que a comissão será composta pelos vereadores Luiz Fernando Azevedo (PSB) como presidente, Giovane Gonçalves (PSDB) como relator e André Luiz Carvalho (UB) como membro. O resultado das apurações será compilado em um relatório a ser votado pelos vereadores, podendo resultar na cassação do prefeito caso haja uma maioria de dois terços de votos favoráveis.


Vale destacar que vereadores de São Gonçalo do Sapucaí e de Jacutinga já haviam encaminhado denúncias contra os contratos com a empresa THV ao Ministério Público de Minas Gerais. A suspeita envolve contratos de valores elevados que chamaram a atenção das autoridades, e as investigações continuam em andamento.

Siga o Instagram do Portal Minas Seguir