Cerca de 16 mil estudantes terão aula integral em Minas a partir de 2020


Cerca de 16 mil estudantes terão aula integral em Minas a partir de 2020

Pelo menos mais 16 mil estudantes do Ensino Médio em Minas Gerais vão passar a ter, em 2020, acesso à educação integral nas escolas do Estado. O programa, que atende atualmente 12 mil alunos de 78 escolas, foi ampliado e vai passar a atender 28 mil estudantes de 281 instituições. As matrículas começam na próxima semana. Parte das escolas terão, inclusive, a oferta do ensino profissional, com 18 opções de cursos técnicos. A ampliação é anunciada sete meses após o governo do Estado informar que cortaria 70% das vagas de ensino integral devido à falta de verba.


A ampliação do ensino médio integral foi tema nesta quinta-feira (21) do seminário “Construindo seu futuro”, realizado no Palácio da Liberdade. Participaram do evento 220 alunos do 9° ano do ensino fundamental de escolas da região metropolitana de Belo Horizonte.


Questionada sobre o corte das 80 mil vagas de ensino médio integral regular, representando, no primeiro semestre, uma queda de 1.600 para 68 escolas que ofereciam a modalidade no Estado, a secretária de educação Júlia Sant’Anna, afirmou que o ensino está sendo retomado. “Eu acho que isso já é um assunto extremamente superado. A gente já saneou a recuperação desse tempo integral do ensino fundamental. O que havia de diferente era uma metodologia que era apenas com atividades extra-curriculares no contra-turno. Agora a gente trás uma matriz bastante robusta”, afirmou. 


As matrículas se iniciam na próxima semana pela internet. No caso de alunos que já estão na escola integrada, a progressão é automática, ou seja, caem no sistema imediatamente. No caso dos alunos de outras escolas, a matrícula deve ser feita a partir do dia 28.


“No caso das escolas que não são técnicas, é uma ampliação dos conteúdos para o Enem e uma formação mais ligada à universidade, até mesmo para o aluno construir seu projeto de vida. Na educação profissional é para já ser encaminhado para uma formação técnica”, explicou a secretária.


"Existe no Brasil a ilusão do diploma"


O governador Romeu Zema participou do evento e aconselhou os estudantes a aproveitarem a oportunidade ao máximo. “Existe no Brasil a ilusão do diploma, de que o diploma resolve as coisas, mas o que resolve é ter capacidade. Eu conheço mestres de obra, carpinteiros e marceneiros que ganham mais que advogados formados, fisioterapeutas e administradores. O importante é fazer bem feito, independente daquilo que foi realizado. Quem investe em conhecimento nunca vai perder o que adquiriu. Quem fizer bem essa escola integral, eu tenho certeza que vai estar capacitado para ocupar várias posições que hoje estão abertas por falta de pessoas qualificadas”, disse. 


Entre os 18 cursos técnicos que serão ofertarmos estão açúcar e álcool, agronegócio, agropecuária, alimentos, análises químicas, celulose e papel, desenvolvimento cultural regional, desenvolvimento de sistemas, eletroeletrônica, eletromecânica, eletrônica, eletrotécnica, informática, logística, mecânica, química, segurança do trabalho e transações imobiliárias. 


O investimento para a escola integrada em 2020, segundo o governo do Estado, será de R$ 151 milhões, sendo R$ 71,5 milhões para pagamento de pessoal, R$ 16 milhões para alimentação e cerca de R$ 64 milhões para investimentos em obras e equipamentos.