Após anunciar a intenção de pagar o 13º em dia este ano, Zema é cobrado a explicar como pretende fazer o pagamento


Após anunciar a intenção de pagar o 13º em dia este ano, Zema é cobrado a explicar como pretende fazer o pagamento

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), tem até esta quinta-feira (17) para explicar ao TCE (Tribunal de Contas do Estado) a ideia de antecipar a renda que a Codemge (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais) tem a receber até 2032 para pagar o 13º salário dos servidores públicos deste ano.


Na prática, o Executivo usaria dinheiro proveniente da exploração do nióbio, em Araxá, no Triângulo Mineiro, para quitar a gratificação dos funcionários deste ano. Desde 2016, ainda durante a gestão de Fernando Pimentel (PT), os servidores mineiros têm os salários parcelados. O 13º relativo ao ano passado está sendo pago até hoje.


O anúncio do Governo de Minas foi feito na última semana, quando Zema e os secretários de Estado da Fazenda, Gustavo Barbosa, e de Planejamento e Gestão, Otto Levy, detalharam os planos de recuperação da situação econômica do Estado.


Barbosa disse, na ocasião, que a operação poderia render aos cofres do Estado algo em torno de R$ 5 bilhões a R$ 6 bilhões. Levy foi adiante e disse que, caso o projeto fosse aprovado, o pagamento do 13º salário será realizado até o dia 21 de dezembro e o salário do último mês do ano será pago em uma única parcela.


Em nota, a AGE (Advocacia-Geral do Estado) se limitou a dizer que o Estado foi notificado e que vai apresentar os esclarecimentos necessários.