Wesley Batista, irmão de Joesley, é preso esta manhã pela Polícia Federal

Wesley Batista, irmão de Joesley, é preso esta manhã pela Polícia Federal

Na manhã desta quarta-feira (13) a Polícia Federal prendeu Wesley Batista, um dos donos da J&F e diretor-presidente da JBS. Ele foi preso em São Paulo-SP e a ordem de prisão teria sido expedida pela 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo. A detenção seria o resultado de investigações sobre o uso de informações privilegiadas para lucrar no mercado financeiro, na época em que foram divulgados dados da delação premiada de executivos do grupo.


Joesley Batista, irmão de Wesley, também foi preso na mesma ação da PF, estando recolhido desde o último domingo (10), depois que Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, acatou os pedidos de prisão.


De acordo com investigações da PF, a JBS, outras empresas do grupo e seus controladores teriam utilizado informações privilegiadas para gerar ganhos para a empresa. A JBS teria confirmado que compraram dólares no mercado futuro algumas horas antes da divulgação da informação de que os executivos da empresa haviam feito delação premiada. Como resultados desta ação, o dólar teria disparado no dia seguinte, gerando ganhos aos envolvidos. O nome dessa prática seria o “Insider Trading”, quando são usadas informações privilegiadas para lucrar na compra ou venda no mercado financeiro.


Ainda segundo investigações da PF, foram vendidos cerca de R$327 milhões em ações da JBS nos seis dias do mês de abril em que os réus negociavam a delação premiada. Às vésperas da divulgação das gravações, teriam sido comprados cerca de U$ 1 bilhão. Como o dólar disparou nos dias seguintes à divulgação, a JBS obteve ganhos financeiros consideráveis. A Justiça Federal teria determinado o bloqueio de cerca de R$ 800 milhões das contas de Joesley Batista após as denúncias, mas posteriormente autorizou que a quantia tornasse a ficar disponível.


Ainda foi informado pela PF que, além da JBS, também são investigadas a FB Participações, empresa que reúne diversos negócios da família Batista, e do Bando Original, que pertence ao mesmo grupo, segundo a Comissão de Valores Mobiliários.


Curta a página do Portal Minas no Facebook