Mais de 10 mil famílias assistidas pelo 'Bolsa Família' podem perder o benefício em Juiz de Fora

Mais de 10 mil famílias assistidas pelo 'Bolsa Família' podem perder o benefício em Juiz de Fora

Juiz de Fora é a quinta cidade do estado que mais recebe verba destinada ao programa Bolsa Família. Em 2017, 14.356 famílias foram convocadas para a revisão cadastral do programa, 12.173 são beneficárias e mais de 10 mil podem perder o benefício por não atualizarem os cadastros.
De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social, Juiz de Fora está abaixo da meta de inclusão de famílias no Bolsa Família. Regularmente, quem rece o benefício tem que comparecer à Secretaria para fazer uma revisão no cadastro. Os lembretes chegam aos beneficiários através de cartas.


Segundo o levantamento, a cobertura do programa atinge 66,91% das famílias consideradas pobres da cidade.


O gerente de Departamento de Transferência de Renda da Secretaria de Desenvolvimento Social (SDS) explicou que os beneficiários têm alguns deveres qiue precisam ser cumrpidos na assistência social, como maner o cadastro atualizado.


"Na saúde, as crianças menores de sete anos e as mulheres de 14 a 44 anos têm que ir até a unidade de saúde para fazer pesagem e tomar vacinas", disse.


Na área da educação, as crianças têm que estar matruculadas e com frequência de pelo menos 80% nas aulas.


O benefício também pode ser cortado se houver cruzamento de dados com outros sistemas relacionados ao Governo Federal, como Ministério do Trabalho ou Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), é possível mostrar casos de aumento de renda não declaradas. Para se cadastrar no programa, a renda per capita da família deve ser de até R$ 170.


A beneficiária, Vera Lúcia da Silva, de 63 anos, está desempregada e conta que é cadastrada no Bolsa Família desde o início do programa, em 2004. Desde então, o valor que ela recebeu variou. Em 2016, era R$ 212, quando estava desempregada. Quando conseguiu um emprego, foi até a SDS refazer o cadastro e, atualemente, recebe R$ 202.


As famílias assistidas pelo programa muitas vezes não sabem o motivo desta variação. "Quando chega a época, eu faço tudo direitinho para não deixar de ganhar. Levo tudo que precisa, cartão de vacina, receita, contas para não perder o dinheiro das crianças", contou.


Até dezembro, a Prefeitura de Juiz de Fora deve intensificar as buscas dos beneficiários, através do Departamento de Transferência de Renda e dos Centros de Referência da Assistência Social (Cras). A assessoria informou, ainda, que a inclusão é feita pela administração e a avaliação e concessão do benefício são realizados automaticamente pelo sistema do governo Federal.


Curta a página do Portal Minas no Facebook