Acusados de matar estudante em Extrema são condenados

Acusados de matar estudante em Extrema são condenados

Acusados de matar estudante em Extrema são condenados


Foram condenados nessa terça-feira (5) dois dos três acusados de matar a estudante universitária Larissa Gonçalves de Souza, na cidade de Extrema, Sul de Minas, em outubro de 2015.


O julgamento ocorreu no Tribunal do Júri da comarca de Cambuí, e ambos receberam a pena de 17 anos e 3 meses de prisão, em regime inicialmente fechado, pela juíza Patrícia Vialli Nicolini, da 1ª Vara Cível, Criminal e da Infância e da Juventude de Cambuí.


A sessão de julgamento foi transferida pelo TJMG da comarca de Extrema para Cambuí a pedido da defesa, para garantir a segurança e evitar o clima de comoção na cidade onde o crime ocorreu.


O júri teve início na segunda-feira (4) às 9h, e terminou na terça-feira por volta de 21h30.


O comerciante José Roberto dos Santos Freire e o garoto de programa Valdeir Bispo dos Santos foram condenados a uma pena total de 17 anos e 3 meses de prisão pelos crimes de homicídio e também pelo crime de ocultação de cadáver. Os jurados reconheceram a tese de homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, recurso que dificultou a defesa da vítima e meio cruel.


O julgamento da técnica de enfermagem Rosiane Rosa da Silva, acusada de participar do sequestro e morte da estudante, será marcado para outro dia devido à apresentação de atestado médico de seu advogado no primeiro dia do julgamento.


O comerciante José Roberto Freire e o garoto de programa Valdeir Bispo dos Santos foram julgados por assassinato e ocultação de cadáver. Valdeir ainda respondeu pelo crime de estupro de vulnerável, mas o conselho de sentença o inocentou dessa acusação.


A promotora Rogéria Leme, no julgamento, destacou a violência com a qual a vida da vítima foi tirada pelos réus. Ela enfatizou a violência dos golpes e a existência de uma lógica que explica a participação de ambos pra efetivar a morte.


O defensor público Luciano Guarnieri, que defendeu Valdeir Bispo, frisou a deficiência do Estado na formação do cidadão e as consequências disso na falta de oportunidades sociais que impeliu o réu, defendido por ele, ao crime.


Já os advogados Roberto Soares e Mauro Corsi insistiram que sentimento de José Roberto pelo namorado da vítima foi a motivação do crime. O advogado Roberto Soares chegou a apresentar, durante a tréplica, a tese de violenta comoção, que prevê redução da pena.


A tese foi criticada pela promotora Rogéria Leme, que enfatizou a impossibilidade de a vítima ter "provocado" ou concorrido para que o crime ocorresse


A denúncia


De acordo com a denúncia do Ministério Público, a estudante Larissa foi assassinada em 23 de outubro de 2015, aos 21 anos, no bairro Ponte Nova, em Extrema. A jovem teria sido sequestrada na rodoviária da cidade pelos três réus – o comerciante José Roberto dos Santos Freire, o garoto de programa Valdeir Bispo dos Santos e a técnica de enfermagem Rosiane Rosa da Silva –, tendo sido, em seguida levada para a casa do comerciante, onde foi morta.


O corpo foi posteriormente envolto em uma sacola plástica e levado a uma área de mata da cidade, onde foi jogado em uma ribanceira.


Ainda segundo a denúncia do Ministério Público, a vítima foi encontrada amarrada pelos punhos e tornozelos e teve a cabeça envolta em fita adesiva. A morte teria ocorrido por asfixia, mas a jovem apresentava fraturas no punho, osso hioide e maxilar, provocadas por golpes de peso de academia.


Narra ainda a denúncia que o comerciante teria planejado a morte de Larissa por ter interesse no namorado dela; o outro acusado, por sua vez, teria sido motivado a assassinar a jovem para receber R$ 1.000; e a técnica de enfermagem, apenas porque o comerciante pediu a ajuda dela no crime.


Com informações do TJMG


Curta a página do Portal Minas no Facebook